Mearim Motos

Gravação mostra tentativa de fraude em urnas nas eleições municipais

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Share/Bookmark
Conforme investigação da Polícia Federal, o esquema de um grupo para fraudar urnas eletrônicas nas eleições municipais de 2016 "não passaria de um engodo". Em operação deflagrada nesta terça-feira (13), uma pessoa foi presa em Xangri-Lá.

O esquema passou a ser investigado a partir da denúncia do prefeito de um município da Região Metropolitana de Porto Alegre, que não teve o nome nem a cidade divulgados. Ele, que não é candidato à reeleição, foi orientado pelas autoridades a manter conversas com integrantes do grupo que o procuraram para oferecer a fraude.

"É preparado o nome e número dos felizardos e programado pra que ganhe com em torno de 10% sobre o segundo colocado", diz um integrante do grupo em uma das gravações.

"No momento em que é dado o comando pra fazer o 'backup' dessas informações pra depois remetê-las ao TRE, o programa executa a troca", continua, segundo áudio.

Ainda segundo a PF, os criminosos afirmavam ter contato com a empresa que atualizava o sistema empregado nas urnas eletrônicas. A quadrilha cobraria R$ 5 milhões para fraudar a eleição para prefeito e R$ 600 mil para o pleito de vereadores.

O grupo foi investigado por cerca de um mês e meio. Conforme a PF, tinha sede em Brasília e algumas ramificações.

Além dos mandados de prisão, foram cumpridos três mandados de condução coercitiva - quando a pessoa é levada para prestar depoimento - em Xangri-Lá, Canoas (RS) e Piripiri (PI), e cinco mandados de busca e apreensão em Canoas, Xangri-Lá, Goiania (GO) e dois em Brasília (DF).


Esquema "não passaria de engodo", diz delegado
Em entrevista coletiva no fim da manhã, o delegado de defesa institucional Fernando Casarin explicou que a conversa gravada era sobre a alteração de algorítimo ou código binário, e que a fraude seria realizada pela empresa que, em tese, forneceria o software para a Justiça Eleitoral.

"Na verdade, se trata de um puro e simples estelionato", destacou. "Até por uma questão da garantia e para reforçar a questão da credibilidade da urna eleitoral, a deflagração [da operação] hoje é porque de 14 a 23 de setembro é o período em que as urnas eletrônicas são carregadas pelos servidores da Justiça Eleitoral", acrescentou o delegado.

Segundo Casarin, o grupo apostava "na lábia" para conseguir candidatos para entrar no esquema. "Eles chegavam ao ponto de afirmar que garantiam, davam certeza absoluta que eles conseguiriam fraudar. O que, na verdade, se constatou que não passaria de um grande engodo", resumiu.

Os presos deverão responder pelos crimes de organização criminosa e estelionato, já que a investigação constatou que não há indícios de que seria possível fraudar as urnas eletrônicas. Somadas, as penas variam de 4 a 13 anos de prisão.

Também não foi verificada a conexão entre os suspeitos e a empresa que atualiza o sistema das urnas.

A urna eletrônica possui mecanismos de segurança que garantem que somente os programas gerados na cerimônia de lacração possam ser executados com status de aplicação oficial, conforme informações do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS). Esta é a única oportunidade em que a chave de assinatura oficial dos sistemas é utilizada. Nela, os programas são inspecionados, de modo que não há como alguém gerar um programa malicioso para fraudar a eleição.

0 comentários :

Postar um comentário