Mearim Motos

Dos 18 deputados federais do MA, apenas oito defendem a vaquejada

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Share/Bookmark
bancada-1
Parlamentares que defendem a vaquejada como patrimônio imaterial são minoria do Maranhão.
Apenas oito deputados federais dos 18 que integram a bancada maranhense na Câmara estão mobilizados em favor da vaquejada em Brasília. Pelo menos é o que pôde ser visto durante a reunião na tarde de ontem, terça feira (25), que discutiu a atividade como manifestação popular e cultural que fomenta o desenvolvimento, além de gerar emprego e renda no país e, principalmente, para o Nordeste.
Presentes no ato, os parlamentares Pedro Fernandes (PTB), José Reinaldo (PSB), Hildo Rocha (PMDB), Weverton Rocha (PDT), Rubens Júnior (PCdoB), João Marcelo (PMDB), Juscelino Filho e Alberto Filho (PMDB).
Supõem-se, portanto, que os outros dez deputados que não estiveram no evento, são contra a vaquejada, logo integram o grupo dos que classificam o “esporte” como exploração de animais.
Da reunião, participaram também representantes de várias associações ligadas ao esporte, produtores e vaqueiros. Já existe uma mobilização nacional em favor da vaquejada e, nesta semana, deve ser lançada a Frente Parlamentar em Defesa da Vaquejada.
Proposta 
A Câmara dos Deputados já aprovou um projeto que inclui a vaquejada como patrimônio imaterial do País (PL 1767/15). O texto está em análise no Senado, com parecer favorável. Também tramita na Casa o Projeto de Lei 2452/11, que qualifica a vaquejada como esporte nas modalidades amadora e profissional.
A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 270/16, classifica rodeios, vaquejadas e suas expressões artístico-culturais como patrimônio cultural imaterial brasileiro. A proposta também assegura a prática dessas atividades como modalidade esportiva.
Os deputados argumentam que, nos últimos anos, houve muita evolução no trato dos animais utilizados nos eventos. Hoje, entre outras normas, há a obrigatoriedade do uso de cauda artificial, a proibição do açoite e do uso de esporas, a imposição de regras para a desclassificação do vaqueiro que maltratar ou utilizar de más técnicas de dominação e exigência de revestimento interno dos brides e de canchas de areia para amortecer a queda durante a imobilização do boi.
http://www.domingoscosta.com.br/

0 comentários :

Postar um comentário