Denuncie

Pedreiras: 100% dos presos liberados retornaram da Saída de Páscoa

segunda-feira, 24 de abril de 2017
Compartilhe esta Notícia

Juíza Ana Gabriela com recuperandos na APAC de Pedreiras
Juíza Ana Gabriela com recuperandos na APAC de Pedreiras

Todos os 42 recuperandos que saíram no período da Páscoa retornaram à Associação de Proteção e Assistência aos Condenados em Pedreiras. A informação é da direção da unidade prisional, que ressaltou ser uma constante na APAC o retorno de todos os recuperandos durante essas saídas temporárias previstas em Lei. Os beneficiados tiveram a saída autorizada pela juíza Ana Gabriela Costa Everton, titular da 2ª Vara e responsável pela execução penal na comarca de Pedreiras.

A magistrada foi até a unidade prisional e conversou com os apenados, ressaltando a importância da metodologia ‘apaqueana’ na recuperação e ressocialização de presos. Na oportunidade, a juíza realizou audiências admonitórias (na qual os magistrados estabelecem as condições para o cumprimento do regime aberto, as quais, se desobedecidas, podem provocar a regressão de regime) com os recuperandos que foram beneficiados com os livramentos condicionais e progressões de regime.

“Não resta a menor dúvida que essa metodologia da APAC se configura como uma parceira construtiva ao Poder Judiciário e à sociedade. Na APAC, recupera-se o ser humano”, observou Ana Gabriela. Atualmente na APAC de Pedreiras estão custodiados 132 recuperandos, divididos por regimes, sendo 59 recuperandos cumprindo pena no regime fechado, 39 recuperandos do semiaberto e 34 recuperandos no regime aberto.

Sobre a APAC – A metodologia Apac nasceu em São Paulo na década de 1970 e sua finalidade é funcionar como uma organização de auxílio à execução penal, sempre em parceria com a comunidade local. Esse modelo participativo garante o rompimento com preconceitos e garante a completa recuperação do preso dentro de um processo construtivista e de divisão de responsabilidades com a sociedade a sua volta.

A eficácia da metodologia é comprovada em números. Enquanto no modelo prisional tradicional o índice de reincidência criminal cometida pelos egressos chega a 70%, já na Apac esse percentual cai para apenas 15%. A associação opera como entidade auxiliar dos poderes Judiciário e Executivo, respectivamente, na execução penal e na administração do cumprimento das penas privativas de liberdade nos regimes fechado, semiaberto e aberto.

A metodologia APAC fundamenta-se no estabelecimento de uma disciplina rígida, caracterizada por respeito, ordem, trabalho e o envolvimento da família do sentenciado. A principal diferença entre a Apac e o sistema carcerário comum é que, na Apac, os presos (chamados de recuperandos pelo método) também são responsáveis pela sua própria recuperação. Para contribuir nessa busca, eles receberem assistência espiritual, médica, psicológica e jurídica, prestadas pela comunidade.

Hoje, a APAC instalada na cidade de Itaúna é uma referência nacional e internacional, demonstrando a possibilidade de humanizar o cumprimento da pena. No Maranhão são nove Associações de Proteção e Assistência aos Condenados, sendo a de Pedreiras a pioneira no Estado, criada em 2005.


ATENÇÃO!
Todos os comentários abaixo são de inteira RESPONSABILIDADE EXCLUSIVA de seus Autores(LEITORES/VISITANTES). E não representam à opinião do Autor deste Blog.

0 comentários :